Abèdjè Sinatou Saka

É jornalista há cinco anos, em Paris. Originalmente
do Benim e Yoruba, trabalha há alguns anos em temas relacionados com a tecnologia e a sua influência em África. Tem assistido à mais recente turbulência digital do continente e está muito interessada em saber como essas ferramentas podem ajudar a imaginar-nos um futuro mais inclusivo.

A internet é um espaço político. É um facto. As línguas que não estão lá representadas são inexistentes para muitas pessoas no
planeta. Uma língua é uma porta de entrada para toda uma cultura que também é, de facto, invisível neste espaço.


Imaginem um agricultor beninense que não pode usar uma aplicação para telemóvel para se conectar com potenciais compradores, e que também lhe permitiria melhorar o seu rendimento, simplesmente porque a aplicação não existe na sua língua (o fon, por exemplo). Ele é posto à prova duplamente. Nunca será capaz de usar uma ferramenta digital e muito menos usá-la, adaptá-la, reinventá-la para sua actividade. É uma questão de dignidade. Dispor de tecnologia na língua que se domina é perceber que é possível entrar inteiramente na modernidade. 


Mas voltemos à presença de línguas africanas no ciberespaço. Estudos mostram que, dependendo do idioma em que se faz a
pesquisa, os motores de busca oferecem um determinado número de resultados. E, claro, cada vez menos relevantes, dependendo da presença mais ou menos forte dessa língua na internet. Por exemplo, se procurarmos um restaurante na língua Goun do Benim no Google, tem 0% de possibilidades de encontrar o endereço ou informações sobre um restaurante localizado justamente no Benim. Dependendo da sua língua, pode aceder a um universo mais ou menos aberto na internet. E, claro, isso é um problema, porque limita a nossa liberdade. Não deveria acontecer. No entanto, não se trata de lançar apenas o estigma sobre os motores de busca, que, apesar da opacidade de seu algoritmo, têm em conta que não estão actualizados hoje no que diz respeito às línguas africanas.


África possui mais de 2.000 línguas, é o continente mais rico em termos linguísticos e, no entanto, 80% do conteúdo da internet existe apenas em dez idiomas ocidentais, falados nos países mais desenvolvidos. Essa correlação mostra que hoje existe uma influência política e económica da língua na internet. No início da internet, o inglês era a língua dominante e, em apenas alguns anos, o chinês subiu para os 10 idiomas mais representados, e essa presença ajudou, inegavelmente, a estabelecer a sua cultura e a compartilhar a sua visão do mundo. Foi feito um trabalho para lá chegar, porque o poder do chinês na internet diz-nos alguma
coisa sobre o poder da China no mundo real.


Tendo em contar este panorama, decidimos lançar o Idemi 1 (que vem do Edemi, a minha língua em ioruba), composto por um
colectivo de voluntários. É acima de tudo uma plataforma que pretende criar uma emulação de línguas africanas na internet. A ideia é articular diversas iniciativas, nomeadamente na área do ensino, a fim de estruturar as línguas africanas, dar-lhes mais impacto e incentivar a criação de conteúdos nestes idiomas. Isso também envolve advogar para que as autoridades locais traduzam sites oficiais para o idioma do seu país (como já fazem para um idioma estrangeiro como o inglês), com acompanhamento de internautas para produzirem conteúdos nas línguas africanas que falam. Para este último ponto, queremos desconstruir a imagem antiquada que as nossas línguas podem ter, mesmo dentro das nossas comunidades. Mais concretamente, se a pessoa não souber escrever na sua língua, temos gosto em acompanhá-la para fazer um podcast ou um projecto de vídeo, porque todos os formatos são possíveis na internet.


O nosso objectivo a longo prazo é facilitar a descoberta de conteúdos em línguas africanas e, especialmente, em todas as línguas
africanas, sejam elas importantes em termos do número de falantes ou mais confinadas e sem interesse económico para grandes multinacionais de tecnologia. Parece-me essencial não depender dessas plataformas, como já acontece em vários sectores e, principalmente, não lhes deixar o monopólio do futuro das nossas línguas na internet. Um processo de monetarização desse conhecimento seria destrutivo para as línguas, especialmente as menos faladas.


A linguagem é um instrumento político, ideológico e, é claro, uma ferramenta de comunicação. As línguas africanas foram subestimadas com a colonização e outros eventos trágicos na nossa história. A disponibilidade de conteúdo em línguas africanas não oculta a falta de infraestruturas de conexão. Este é um problema real e terá que ser resolvido também. É uma questão de igualdade de oportunidades para desenvolver o potencial desses milhões de analfabetos que não têm acesso a ferramentas digitais. Idemi é um colectivo e, infelizmente, temos muito poucos meios para alcançar os nossos objectivos, mas devemos, com as populações isoladas e analfabetas, trabalhar em conjunto agora para que as nossas línguas não desapareçam internamente.

1 https://idemi.africa/